Brasileiros deportados dos EUA relatam comida estragada em detenção

Pegos na fronteira, eles ficaram presos por 20 dias sem contato com familiares

Por Redação - Revista EXATO
01/11/2019 11:51:00

Foto: Alexandre Rezende

Deportados encontram familiar no aeroporto de Confins, próximo a Belo Horizonte, MG.

Homens, mulheres e crianças , muitos sem sapatos, carregando sacos plásticos pequenos apenas com celulares e passaportes, cruzaram a porta do desembarque internacional do aeroporto de Confins (MG), pouco antes das 3h do sábado (26).

Presos atravessando a fronteira entre México e Estados Unidos, nas cidades de Ciudad Juárez e El Paso, eles foram deportados em voo fretado pelo governo de Donald Trump, segundo a Polícia Federal.

A maioria dos ouvidos estavam cerca de 20 dias detidos no Texas.

Segundo a Polícia Federal, dos 70 deportados, 32 são menores de idade e 59 são de Minas Gerais. Mas há uma contradição nos números —o Itamaraty afirma que são 51 deportados.

“Queria tentar uma vida melhor para o meu filho, mas você é tratado igual cachorro. Criança dormindo no chão, sem comer? É melhor que nos deportaram, aqui nunca passei fome”, diz Magno Bruno, 32, que passou seis dias no local com o filho Caio, 13.

Apesar de terem sido presos em datas diferentes, os brasileiros contam histórias parecidas da chegada à fronteira. Todos viajaram de avião do Brasil ao México —país que dispensa visto aos brasileiros por 180 dias— e com um contato indicado por algum conhecido. Depois de desembarcarem na Cidade do México, seguiram em outro voo para Chihuahua e foram de ônibus até Ciudad Juárez.

Como as travessias aconteciam de madrugada, eles contam que policiais apareceram com lanternas e os ajudaram a chegar ao lado americano. Lá, depois de passarem pela polícia, foram levados ao local onde ficaram detidos.

No site oficial, a CBP (Proteção de Fronteira e Alfândega, na sigla em inglês), responsável pelas fronteiras, informa que em 2019 houve um recorde de detenções de famílias na fronteira sul dos EUA: 473.683. Ao todo, foram detidos 851.508 imigrantes.

A rotina descrita pelos brasileiros começava por volta das 5h, quando eram acordados pelos agentes. Às 6h, era servida a primeira refeição do dia, um burrito (uma espécie de pão enrolado, típico do México) recheado com ovo e feijão.

Às 12h, recebiam outro burrito com recheio de frango. No fim da tarde, vinha a última refeição do dia: sanduíche de peito de peru.

Segundo eles, a comida costumava estar azeda, e várias pessoas encontraram partes de baratas, cabelos e prazo de validade vencido.

Guardar comida para comer em outros horários era proibido. “O que mais me doeu lá dentro foi ele me pedir comida”, conta Lilian Aparecida, 37, olhando para o filho de três anos. Além dele, foram deportados com ela o marido e a filha de dez anos.

Havia ordens para que todos se mantivessem sentados ou deitados. As crianças também tinham restrições para brincar. Um dia, segundo uma das brasileiras, elas juntaram canudos que vinham com o suco e improvisaram um jogo de varetas. Um agente jogou o material no lixo.

Outra mulher, que também não quer ter o nome revelado, foi deportada com os filhos de 14 e 16 anos. O marido dela vive nos Estados Unidos com dois filhos do casal, de dez e cinco anos. Os três têm Green Card, documento de residência para estrangeiros, e a família iria se reencontrar após um ano. “Eu tentei [tirar] visto duas vezes, meus filhos precisam de mim”, conta.

Enquanto conversava com a reportagem, ela abria o WhatsApp e dezenas de mensagens surgiam na tela, vindas do marido e de outros familiares, à espera de sinal no telefone por mais de 20 dias. Telefonemas não eram permitidos no período em que eles foram mantidos no centro de detenção.

A lista de pessoas deportadas não foi divulgada, e grande parte das famílias só foi informada do que havia acontecido depois do desembarque em Confins. Várias pessoas ouvidas pela reportagem relataram que, na segunda-feira (21), um homem que se apresentou como representante do governo brasileiro os entrevistou, avisou que eles estavam em uma lista de deportação, perguntou sobre as condições do local de detenção e disse que voltaria a contatá-los.

O Itamaraty confirmou visita do Consulado-Geral do Brasil em Houston aos brasileiros detidos e diz que foram feitos “contatos e gestões junto às autoridades norte-americanas competentes”.

O Itamaraty afirma ainda que “não foram verificados maus-tratos ou abusos de qualquer natureza” e que as autoridades consulares brasileiras acompanham casos de brasileiros detidos por irregularidades de migração, “atuando para apoiar esses nacionais, nos limites impostos pela legislação e soberania dos Estados Unidos”.

Os brasileiros contam que, no dia da viagem, foram acordados por volta das 3h30 e encaminhados para um ônibus com grades. De lá, subiram em um avião. A maioria diz que não sabia para onde estava sendo levada.

A nota da Polícia Federal afirma que, entre os deportados, estava um homem de 48 anos condenado por homicídio qualificado cometido em Governador Valadares (MG) em 2000.

A PF também informou que tomará depoimentos dos outros deportados para investigar um esquema de imigração ilegal. Para a polícia, “imigrantes teriam se valido de crianças e adolescentes para facilitar a entrada e a permanência em território norte-americano”.

A embaixada dos Estados Unidos em Brasília disse, em nota, que “facilitar a remoção de estrangeiros, sujeitos a uma ordem final de remoção, especialmente aqueles que oferecem perigo à segurança nacional ou pública, é uma prioridade do governo”.

FONTE:

Redes Sociais